Menu Fechar

Entre o Passado e o Presente

O Regime da Colonia na Freguesia da Ponta Delgada

Hoje, partilho a minha opinião neste artigo, fazendo referência à Freguesia onde eu nasci, à Freguesia da Ponta Delgada, noutros tempos denominada de “Corte do Norte”, onde outrora existiu um regime de colonia. Naquela altura, existiam os senhorios, pessoa ou pessoas proprietárias de vários terrenos, do mar à serra, tendo os colonos a trabalhar para si e, nesses mesmos terrenos, os colonos semeavam as culturas (produtos agrícolas) nos terrenos, em que metade da produção era entregue ao senhorio do terreno.

Em 1953, o Senhor Artur Guerreiro dos Santos (Senhorio) decretou que vendia os seus terrenos aos colonos, pelo que estes ficaram preocupados e, uma vez que não tinham posses, foram pedir auxílio ao Pe. Agostinho Cardoso, na altura o pároco da Freguesia. Em conjunto com o Presidente da Câmara Municipal de São Vicente, Manuel da Conceição Escórcio, escreveram uma carta ao Governo da República, a relatar a situação, dando-se início à descolonização da freguesia.

Contudo, só a 23 de Setembro de 1956, é que terminou este regime, realizando-se no Sítio da Primeira Lombada da dita Freguesia, uma cerimónia de entrega dos alvarás dos terrenos aos novos proprietários, por um representante do Governo da República. Posteriormente, os terrenos foram avaliados, de modo a que cada colono pudesse pagar o justo valor. Tendo em conta as posses de cada colono, o pagamento dos terrenos foi feito de uma vez, por uns e de forma faseada por outros, levando ao pagamento dos terrenos durante 20 anos, sendo este efetuado sempre no mês de Janeiro.

Assim, a entrega dos alvarás aos colonos foi um passo importante para a população e para os habitantes da Freguesia, na medida em que predominava um regime social desumano, que só foi extinto com a implementação do regime autonómico, actualmente vigente na Região Autónoma da Madeira. Todos nós, devemos muito às políticas de desenvolvimento implementadas ao longo dos últimos anos na Região, pois sem elas, nunca teríamos a qualidade de vida que temos nos dias de hoje.

#LiderarParaTi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *