Menu Fechar

Foi a vontade do povo que transformou a Região

Juntos fizemos da Autonomia política um instrumento de sucesso, superando as adversidades que a geografia nos imponha e que o centralismo político enfatizava.

É um lapso pedir coragem aos madeirenses para mudar, quando todos nós sabemos que os madeirenses e porto-santenses não têm feito outra coisa, nas últimas quatro décadas, senão uma transformação constante da Região Autónoma da Madeira. Tudo fruto do trabalho corajoso de homens e mulheres que quiseram fazer da Região um lugar melhor, para viver e trabalhar, e que quiseram e tiveram do seu lado um Partido Social-Democrata comprometido com a concretização das suas ambições.

As mudanças não devem ser caprichos, pois a vontade de um povo não deve submeter-se à vontade de alguns. Foi a vontade do povo que transformou a Região, garantido oportunidades mais justas para todos aqueles que ambicionavam uma melhor formação, um melhor emprego, uma melhor habitação, um melhor salário e melhores infra-estruturas. Não foi a vontade do Partido Social-Democrata que prevaleceu, foi sempre a vontade dos madeirenses e dos porto-santenses.

Prevaleceu ainda a defesa intransigente da Região, através do Partido Social-Democrata, contra aqueles que, embirrados pelos seus insucessos políticos, deram a mão aos interesses político partidários instituídos por Lisboa. Ou acham eles que o povo esqueceu? Todos somos gratos e reconhecemos aqueles que souberam defender os interesses da Região, que nunca abandonaram os seus compromissos assumidos, sendo que em momento algum destituíram-se dos seus deveres a troco de pretensões pessoais.

                Por isso é necessário um renovado discernimento, para diferenciarmos quem sempre esteve do lado dos madeirenses e porto-santenses de quem nunca se insurgiu em defesa da Região Autónoma da Madeira. Agir de outra forma será irremediavelmente errado. Pois ainda existem muitas lutas a serem travadas e é necessário prevalecermos unidos, na senda do trabalho.

                Juntos fizemos da Autonomia política um instrumento de sucesso, superando as adversidades que a geografia nos imponha e que o centralismo político enfatizava. Sem que nos fizéssemos rogados, superando expectativas e demonstrando que o poder político deve estar sempre ao serviço do povo. Valeu-nos sempre a confiança depositava e nunca defrauda, valeu-nos todos aqueles que dedicaram e dedicam a sua vida a fazer da Madeira e do Porto Santo um lugar melhor.

Por tudo isso posso dizer que tenho orgulho em ser Madeirense e de fazer parte do Partido que mudou a Região Autónoma da Madeira. Como eu muitos!

Luís Ramos Freitas

Posted in Voz da Jota

Related Posts