Menu Fechar

O flagelo do abandono animal

“Diga não ao abandono animal, salve uma vida!”

Na sociedade em que vivemos os animais de companhia têm um estatuto jurídico, que os reconhece como seres vivos dotados de sensibilidade e objecto de proteção jurídica. Para o seu efeito foi formulada uma lista de deveres que o tutor deve seguir e que consiste no fornecimento em quantidade suficiente de alimento e água, exercício físico apropriado, instalações dignas de acordo com o tamanho, espécie e raça, cuidados médico-veterinários sempre que se justifique e a proteção contra perigos que comprometam a sua integridade física, ou a de outros animais ou pessoas.

Esta longa lista de deveres em nada ultrapassa a lista de vantagens que ter um animal de estimação nos pode proporcionar. Os animais de companhia são fieis amigos, companheiros, possuem uma capacidade de perdoar muito superior à nossa, têm sentimentos puros e querem sempre o nosso bem. Está cientificamente comprovado que ter um animal de estimação diminui os níveis de stress e ansiedade cada vez mais presentes na sociedade em que vivemos, estimula o nosso sistema imunitário, torna-nos mais fortes e diminui o aparecimento de alergias, obrigam-nos a fazer exercício físico, a aumentar o nosso sentido de responsabilidade, a melhorar a nossa capacidade de comunicação e estabelecimento de relações interpessoais e é a melhor arma contra a solidão e a depressão.

Tendo em conta todas estas vantagens, pensamos que ter um animal de companhia é uma mais-valia, então como explicamos o continuo abandono animal? Será que as pessoas não estão informadas destas vantagens? Será que não querem saber? Vale a pena pensar nisto.

As razões mais apontadas são a falta de tempo e os custos associados ao consequente aumento do agregado familiar. No que toca à falta de tempo esta é uma questão facilmente contornável, não são necessárias várias horas de atenção e cuidados permanentes, mas sim a rentabilização do pouco tempo que possamos despender com o nosso animal de estimação. Isto significa aproveitar ao máximo os quinze ou vinte minutos que temos livres para proporcionar os melhores cuidados possíveis. Em relação aos custos, actualmente existe uma forte sensibilização para esta temática e vários canais onde podemos procurar ajuda, como por exemplo as associações de animais de companhia e as câmaras municipais. Não devemos ter vergonha de pedir ajuda e o nosso amigo de quatro patas agradece.

Também existe a problemática das férias, e onde deixar o seu animal de companhia? Existem várias opções, umas mais dispendiosas do que outras. Podemos recorrer aos hotéis para animais, podemos sempre pedir a um familiar ou amigo ou então optar pelo serviço de pet sitting. Este serviço está a surgir em Portugal como a nova moda durante as férias. Trata-se da contratação de uma pessoa ou mais para fazer companhia, passear e alimentar o seu animal de estimação. Como podem ver existe sempre uma alternativa, a única que não pode existir é o abandono. Diga não ao abandono animal, salve uma vida!

Sara Vieira
Militante da JSD Madeira

#LiderarParaTi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *